domingo, 11 de novembro de 2007

Pressinto

O que não posso dizer [guardo]
O que não posso ter [hoje]
O que decide é [nosso desejo]
O que mais quero [é a vida que você me dá!]

Talvez o sol da manhã me mande um recado: [se aparecer]
... é mais adiante... - Mas adiante
para antes do feriado, adiar mais para quê?
[daí não pode ser]

- Os olhos sentem na canção, fixos
na boca que percorre o caminho
de um peito branco, nu galáctico,
onde beijei tua alma –

Quero esse amor incandescente
em mim exaltado gritando
à forra da tua ausência,
embora não tenha ainda a hora ...[pressinto]

/ivonefs

Um comentário:

paulo jequié disse...

você tem muita sensibilidade e seus poemas refletem a beleza se um coração aberto a experiências sensitivas. Parabéns!



PS: vi o endereço do seu blog na comunidade de Lispector no orkut.