sexta-feira, 27 de novembro de 2009

sob prescrição

cinquenta miligramas
e entro no sonho do nada...

posso viver sem o mundo
descansar as unhas

e o amanhã tanto faz
como este poema.

2 comentários:

Lúcia Gönczy disse...

Amo sob prescriçao, apesar de ser uma mulher sem graça...
salve grande poetisa Ivone!
amo vc tb.

penanegra disse...

sempre [otimos poemas Iv!
Abração!