domingo, 2 de março de 2008

in Blues

Tua boca
é sempre antes...

no tapete da sala
a luz amarela do abajour
esfria meu semblante

e molhada,
gozo a presença
impressa na pele

(blues)

...tua língua me banha

Ivonefs

3 comentários:

Edson Marques disse...

As impressões que a língua causa vão além do vernáculo...



Abraços, flores, estrelas!

Áureo Felipe disse...

Gostei do seu poema lambelíngua - como do de Drummond, conhece?

Beijos.

ivone fs disse...

Qual Áureo?